8 de jul de 2014

HUPERETES - A Palavra do Ministério Cristão

HUPERETES - A Palavra do Ministério Cristão




Por: Ezequiel da Silva


Primeiramente, não quero ser voz única nessa matéria, até porque não sou esmerado em línguas originais da Bíblia. Sou apenas um pesquisador. Outros colegas já escreveram sobre este importante tema; então, segue mais uma elucubração do assunto. Minha abordagem será do ponto de vista da vida e chamada pastoral na atualidade, com imparcialidade e honestidade, pois, invariavelmente, sou devedor e carente.


Assim, qual é o significado do sacerdócio ministerial cristão? Porquê tantos querem ser ordenados? O que leva muitos a almejarem a liderança de uma denominação cristã? As perguntas são pertinentes e atuais e, talvez, alguns já tiraram conclusões precipitadas acerca destes homens e mulheres, parcela da sociedade, independente do credo ou denominação cristã.


Mas, o que significa ser ministro do Evangelho ou sacerdote cristão? Os manuais e dicionários bíblicos ou léxicos do grego do NT trazem suas definições brilhantes e adequadas. Contudo, várias delas são tecnicista, acadêmica e não reflete o ideal do ministério pastoral. É um fato bíblico o que está escrito em 1Tm 3.1: "esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja." Há uma diferença abissal entre alguém que é vocacionado para o ministério e alguém que acha que é?


Numa visão panorâmica, são milhares de "ordenados" e estão às vistas de todos nos púlpitos das igrejas, mundo à fora. São ordenados "à rodo" pelas mais diversas denominações. É evidente é que, nessa leva tem muitos que se autointitulam ministros; criam suas próprias denominações; seus nichos religiosos. Em tese, assim o fazem porque não querem estar debaixo de autoridade, não aceitam nem se submetem a uma autoridade eclesial.


- "Sou, agora, um ministro do Evangelho" - arrota (ops!), de maneira arrogante, o noviço ordenado, de posse de sua credencial, várias vezes exibida. Acha que chegou o ápice de sua carreira ministerial, quando na verdade, está apenas começando, se é que foi chamado. Infelizmente, é possível que morra no nascedouro (por favor, entendam, não estou amaldiçoando ninguém. É só uma pálida sombra da experiência dos poucos 24 anos de ministério deste servo).


Entretanto, ser ministro do Evangelho vai além de um título eclesiástico. Não deveria ter o glamour de um título nobiliárquico ou, simplesmente, um status social para ser aplaudido ou reverenciado pelos homens. Em Atos 26.16, lemos: "Mas, levanta-te e põe-te sobre teus pés, porque te apareci por isto, para te pôr por ministro e testemunha tanto das coisas que tens visto como daquelas pelas quais te aparecerei ainda;...". E também, lemos em 1Coríntios 4.1: "Que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus.


Nestes dois textos exemplificativos, observamos uma palavra que sobressai do textos gregos: huperetes (Gr. ὑπηρέτης), a palavra do Ministério. Nos manuais do Novo Testamento Grego, huperetes, diz-se daquele que é subordinado; aquele que serve ou está à serviço de alguém. Outra palavra que designa o termo grego é REMADOR. Huperetes era como chamavam aqueles escravos das galés romanas, que ficavam no fundo do navio para tracionar os pesados remos contra os mares, às vezes bravios, às vezes calmos. Inclusive, tem outra palavra neste mesmo texto bíblico que merece nossa atenção: DESPENSEIROS (do Gr. oikonomos - οικονόμος), que também tem tudo a ver com o assunto em tela. No entanto, sendo que a matéria dispõe de caráter próprio, tratarei em outra oportunidade, se o Eterno permitir!


Nesse aspecto, a natureza eclesiástica do ministro do Evangelho ou do sacerdote cristão é exclusivamente serviçal. Ele deve ser um servo da igreja e para a igreja, à serviço de Cristo. E, se fugir desse conceito, é o mesmo que abandonar a vocação e assumir a arrogância e a hipocrisia, que levam a muitos ministros do Evangelho ao fracasso, por não darem a glória devida Aquele que merece - Jesus Cristo, o Rei dos Reis.


Assim, além de huperetes, nessa mesma toada, vem o termo diácono (Gr. διάκονος) que tanto refere-se ao vocábulo SERVO, bem como, ao termo MINISTRO. O próprio Jesus Cristo foi nosso diácono por excelência quando declarou em Marcos 10.45: "Porque o Filho do Homem, também, não veio para ser servido, mas para SERVIR e dar a sua vida em resgate de muitos." (grifo nosso) Então: MINISTRO = SERVO; MINISTÉRIO = SERVIÇO.


Vamos direto ao assunto: o que está faltando à igreja são sacerdotes serviçais. Que sirvam a igreja com abnegação, coragem e determinação. Atributos que seguiram o ministério terreno de Cristo até ao Calvário. Os ministros (claro que relevada as devidas exceções) preferem estar nos banquetes de Pilatos, a jamais seguirem para o Calvário da vocação. Nesse particular, a vocação nem sempre é um calvário, mas há momentos que o ministro está a caminho do Gólgota.


Porém, os ministros de hoje não querem pagar o preço do ministério, do serviço do Reino. Não querem ter calos nas mãos como os remadores das galés romanas. A um grande grupo desses ministros que estão vivendo de holofotes, de estrelismos. O que importa para eles é pisarem na "calçada da fama". E para isso acontecer, mentem, pisam nos colegas, usam bebidas "socialmente" aceitas nas rodas de conversas, cometem fraudes e rombos financeiros. No palco da vida, recheado pelos cargos políticos, são artistas que manipulam como massa de manobra, os fiéis, para continuarem exibirem-se no cenário social que lhes interessam. Desprezam o conselho paulino em Filipenes 4.8: "Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai."


Ser ministro, é ser servo, submisso, um remador de galés; isto é, aquele que se esforça o máximo para servir a igreja do Senhor, a Noiva do Cordeiro, como bom pastor que dá a vida pelas ovelhas. Obreiros de mãos sangrentas, calejadas e dilaceradas pela força dos remos, nas águas conturbadas do serviço ministerial. Então, companheiro de ministério, está disposto a remar, e remar... Até que Cristo venha outra vez. Afinal, nos seus votos sacros, diante da igreja e do Conselho, você eu prometemos ser fiéis ministros (huperetes) de Cristo. Evidente é que todos temos os nossos defeitos, mas podemos tirar proveito disso quando sabemos valorizar e mensurar a graça de Deus sobre as nossas vidas.


Assim, a partir deste articulista, você e eu devemos voltar ao princípio do Ministro-Servo, Que está disposto a servir sem esperar recompensas, senão do Dono da Obra. Que está pronto a devolver a honra e a glória para o Senhor Jesus. Que está disposto a pagar o preço do exercício do ministério, e além de estar subordinado à autoridade de outro. E se for para remar, que seja um remador diferenciado.


Tendo em mente que a Noiva não é do ministro, como se fosse o seu dono; como, nos lembra as palavras do apóstolo Pedro: "nem como tendo domínio sobre a herança de Deus[...]"E, sobretudo está preparado como aquele que espera apresentar ao Rei, ao Sumo Pastor a sua igreja, imaculada e santa, afim de receber dEle a incorruptível coroa de glória." (1Pedro 5.4). É isso, gente amiga!


O termo Huperetes e a sua abrangência na lingua grega do NT:

MINISTRO, MINISTÉRIO - 3. Huperetes (ὑπηρέτης), um sub-remador (HUPO=sob; ERETES=remador) diferente de nautes = marinheiro. Depois veio a denotar ministros; subordinar qualquer ação sob a direção de um outro, em Lc 1.2.  Em Lc 4.20 ministro significa aquele que faz o serviço na sinagoga; um assistente; Jo 18.3,12. (Dicionário Vine em espanhol, p.731)

5257 - [...] um derivado de eressõ - remar - um remador subordinado, i.é, (de modo geral) subordinado (assistente, sacristão, oficial) - ministro; oficial, servo.
(III) [...] A respeito de um ministro da Palavra de Cristo (Lc 1.2; At 26.16; 1Co 4.1)
Deriv.: Hupéreteô, servir sob a direção de outra pessoa. (Bíblia das Palavras-Chave - CPAD, item 5257, pag. 2439)

ASSISTENTE; AJUDANTE -  Huperetes - remador subordinado, a partir daí, um servo ... traduz por "Ajudante" em Atos 13.5. (Dicionário Vine em espanhol, p.151)

DIÁCONOS, DIACONISA - Huperetes, um oficial subordinado a disposição de seu superior; originalmente, um remador subalterno em uma galé de guerra. (Dicionário Vine em espanhol, p.369)

ύπηρετέω - servir, prestar serviços, ser útil. At 13.36; 20.34; 24.23.* 
υπηρέτης, - servo, auxiliar, assistente Mt 5.25; Mc 14.54, 65; Lc 4.20; Jo 7.32,
45s; 18.18, 36; At 13.5; 26.16; 1 Co 4.1.  (Léxico do Novo Testamento Grego, p.213)
υποταγή ής, ή  - hupotage - sujeição, subordinação, submissão, obediência 2 Co 9.13; Gl 2.5; 1
Tm 2.11; 3.4. (Léxico do Novo Testamento Grego, p.215)



Espírito Santo, Brasil, Verão de 2014.

25.02.2014
Postar um comentário